O que é o MICSUL

Micsul 2018 é a terceira edição do Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul). O evento ocorrerá no Brasil, em 2018. A iniciativa é o maior evento multissetorial da economia da cultura da América do Sul. Desde que foi instituído, em 2014, reúne, a cada dois anos, pequenos, médios e grandes empresários de diversas cadeias da economia da cultura da América do Sul e de outras partes do mundo.

Entre os objetivos, estão a geração de negócios, capacitação de empreendedores, a internacionalização de empresas sul-americanas da economia da cultura e o desenvolvimento da competitividade das empresas culturais. Além disso, o evento visa à ampliação da circulação de artistas e outros profissionais da cultura no exterior, além da promoção de emprego e de renda.

Nesta edição, o evento irá contemplar as dez áreas da economia da cultura que estarão presentes no Micsul 2018: artes cênicas (circo, dança e teatro), audiovisual, animação e jogos eletrônicos, design, música, museus e patrimônio, artes visuais, editorial e gastronomia.

O Micsul será aberto ao público por meio de credenciamento virtual prévio ou no local. Haverá cobrança de ingresso no valor máximo de R$ 50 ou U$S 15. Nas duas últimas edições, entre 3 e 5 mil pessoas passaram pelo evento. Para 2018, a expectativa é de que o número seja de 5 a 10 mil por dia.

Nesta edição, participam do evento Argentina, Brasil, Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, Peru, Paraguai, Uruguai e Venezuela.

• Histórico

Micsul 2014

Entre 15 e 18 de maio de 2014, a cidade de Mar del Plata, na Argentina, sediou o primeiro Mercado das Indústrias Culturais do Sul (Micsur). Criado com objetivo de promover intercâmbio de conhecimento, produtos e serviços culturais e criativos, o evento reuniu dez países da América do Sul: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

A programação incluiu rondas de negócios, foros, debates, showcases, desfiles e reuniões institucionais do Micsul. O evento contou também com a participação de mais de 40 convidados internacionais, da Finlândia aos Estados Unidos, de diferentes áreas da indústria cultural.

Os resultados foram positivos e envolveram: 800 compradores e vendedores da América do Sul e 80 compradores internacionais da Espanha, Japão, Finlândia, Reino Unido, Estados Unidos e China.  Além disso, houve 9 mil rodadas de negócios, 30 apresentações ao vivo, 50 foros conferências e debates setoriais, oito reuniões institucionais de organismos culturais da América Latina e um desfile de moda. O Brasil levou delegação de 199 empreendedores, sendo 112 deles com algum tipo de apoio do governo.

Em 2014, o Brasil se comprometeu a sediar a terceira edição do Micsul, em 2018, sob responsabilidade do Ministério da Cultura. A organização do evento se dá em coordenação com os demais países da América do Sul, por meio do Comitê Executivo do Micsul.

Micsul 2016

Entre 17 e 20 de outubro de 2016, foi a vez de Bogotá, na Colômbia sediar o evento. O Micsul contou com a presença de dez países – Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela e envolveu seis setores da indústria cultural: artes cênicas, audiovisual, editorial, animação e games, música e design.

Ao longo dos três dias, foram 100 horas de programação entre showcases de música, teatro, dança e foros académicos. Além disso, houve 500 artistas sul-americanos em cena. O Micsul reuniu ainda 500 compradores e vendedores da América do Sul, 60 compradores internacionais da Espanha, Japão, Finlândia, Reino Unido, Estados Unidos e China. Entre os resultados, constam ainda 3,5 mil rodadas de negócios e 50 apresentações realizadas ao vivo (showcases) de artes cênicas e música dos 10 países participantes.

Em 2016, o Ministério da Cultura apoiou a participação de 60 empreendedores brasileiros, que fecharam em torno de US$ 1,4 milhão em negócios durante o evento, conforme pesquisa da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Eventos (Apex-Brasil). Para os 12 meses seguintes, a expectativa de retorno em geração de negócios e contratos foi de US$ 6 milhões. Dados aportados pelo Ministério da Cultura da Colômbia, responsável pela organização da edição em 2016, dão conta de que a expectativa de vendas para os próximos meses entre todos os empreendedores participantes do Mercado ficou em torno de US$ 10 milhões.